Artes
3 de setembro de 2017

Meu pequeno estúdio feito à mão

É claaaaro que o primeiro post neste espaço novo teria de ser do meu espaço novo 😀 Gente querida! Disse que ia demorar a voltar aqui e cumpri com maestria. Disse que ia voltar com novidades lindas e também cumpri. Bora vê se consigo cumprir a outra promessa: escrever menos e mostrar um tanto de foto. Esse post era pra ter saído há um tempo, mas dias de adaptação, de cuidado com a saúde e muito trabalho por aqui. A ideia é compartilhar um tiquinho só do looongo processo criativo que durou dois anos pra meu novo site, blog, espaço, negócio nascerem.

Tudo começou quando… Rá! Pegadinha. Se fosse contar assim demoraria mais dois anos pra detalhar cada etapa de trabalho. Mas o que queria dizer é que enquanto ia trabalhando no meu novo negócio também seguia a projetar espaços, casas, apês das pessoas queridas que me procuram. Enquanto gestava o negócio, voltava aos estudos, refazia as etapas, fazia cursos e aplicava ao trabalho. Enquanto entrava as madrugadas pra dar conta de tudo, parava aqui e ali pra não surtar, esmorecia, aprendia e seguia. É mesmo uma jornada de altos e baixos essa de empreender. Mas que eu tô satisfeita com o resultado, eu tô. E ele é um start pra o que também vai desenrolar. Agora chega de prosa, deixa eu contar pra vocês mais ou menos como foram alguns trabalhos.

9 de março de 2016

Móveis com nichos: como fazer

Não é caixote não, é nicho mesmo. Pedacinhos de madeira pregados que ganham o mundo da decor há tempos e haja praticidade. Ô! Eu sou adepta há anos luz dos nichos como estantes. São pequenos, cabem em quase todos os cantos e são opções bem mais econômicas a depender do material que a gente use.

Aqui no apê não temos estante ou painel na sala de estar. A sala tá mudando aos poucos por conta do número grande de livros, mas os nichos foram sempre a primeira ideia quando fiz o projeto da sala. A disposição de forma mais aleatória foi inspirada numa edição da Minha Casa de anos atrás. E foi super simples de fazer. Já comprei os nichos prontos, pintei todos, forrei-os e organizei na parede.

4 de março de 2016

20 ideias com cortiça

Garrei amor por ela desde que fiz meu primeiro tutorial aqui no blog há quase três anos. Sem dúvida alguma, a cortiça é um material pra lá de adaptável, democrático. A cortiça vem da casca de uma árvore, a Sobreiro e ela não precisa ser derrubada para fazer o descasque. A produção se concentra em grande maioria na Europa. Leve, a cortiça tem um alto poder isolante por conta de substâncias compostas por lipídios, que é gorduroso e seu uso é mesmo muito variado. Em vários setores da indústria, como na produção de carros, instrumentos musicais, insolemanteos pra obras até manualidades diversas.

Tanto em folhas quanto em rolhas, a cortiça não é dos materiais mais caros e é boa pra manusear. Não é difícil não, nem dura. Com tantas qualidades, reuni algumas das centenas de opções que a gente encontra por aí com este material. As folhas podem ser encontradas em papelarias ou lojas de artigos pra festas. Maleáveis, podem ser fixadas com cola quente, a minha maneira preferida. Podem também receber tinta, verniz em spray e estamparia quente. É ou não é versátil? Então, bora lá!

2 de março de 2016

Piso vinílico ou de linóleo estampado

Não apenas como entusiasta, mas também como designer de interiores, penso que o piso é uma importante e em alguns projetos, uma das mais importantes partes da decoração. Atua como um elemento por ora neutro, por ora ator principal. Requer ser de um material bom, por motivos bem claros. Porcelanato, laminado de madeira, cerâmica, borracha, vinil, linóleo, cimento queimado… São diversos os tipos. Mas o piso também entra no grupo dos itens que podem ser substituídos por versões mais econômicas e tão resistentes quanto outras opções. O piso vinílico e o linóleo são os exemplos de hoje.

19 de fevereiro de 2016

Móveis de madeira coloridos. Muitas inspirações!

Pensei em buscar opções pra quem também tá pensando em reformar móveis. Inspiração nunca é demais, né não? Exemplos possíveis e adaptáveis. Lá no final compartilho algumas dicas de como pintar que venho aprendendo durante este tempo.

14 de outubro de 2015

Porta-recado com tábua de corte: Façam vocês!

Me propus a criar de forma mais livre, intuitiva, seguindo o fluxo, sem saber direito pra onde aquilo ia me levar. Fui criando desenhos que no meio do processo pensei em transformar em bordado. Apaguei ali, refiz aqui até chegar em algo que gostei, à mão livre mesmo, sem precisão ou simetria perfeita. Com a ajuda da Dremel, esta ferramenta mais que amada que já falei aqui, fiz furinhos maiores e menores. Mais uma aula com a Dremel. Uns furinhos saíram bons, outros não, uns tortin 😀 outros certin, mas eu gostei.

7 de outubro de 2015

Como fazer horta em canecas e em locais pequenos

Pra alguns isso é um calo. Digo “alguns” me incluindo. Já te falei que moro num apê pequeno e sem varanda, né? Oxe, sabe não? Eita, cadê tu lendo minhas prosas por aqui? 😀 Pra completar, as janelas e basculantes têm as redes de proteção por conta dos bichanos. Mas mesmo assim, não desisti (e de repente a trilha de missão impossível começar a tocar)

2 de outubro de 2015

Design de Iluminação – Projetar pensando na luz

Depois de curso de design de interiores e da disciplina Iluminação, minha admiração por esta área dentro da decoração (e também fora dela) só aumentou. Mesmo o contato tendo sido rápido e limitado, me dediquei um pouco às pesquisas deste segmento que ainda vou buscar mais conhecimento, tentar me especializar, sério. Uma pós em Design de Iluminação nunca saiu dos meus planos. Um dos livros bem interessantes que tenho sobre o tema é o “Como Criar em Iluminação” da Editora Gutemberg. Traz quem cria pra o centro da discussão e muito mais. Fala dos processos de instalação em um ambiente, concepção e mostra um estudo de caso do Arnold Chan, um dos maiores designers de iluminação do mundo. O livro diz muita coisa que concordo quando se trata de criar em iluminação. Tanto uma pequena peça quanto um espaço por completo. Mas vamos falar por aqui da primeira opção.

“PROJETAR UMA PEÇA DE ILUMINAÇÃO ENVOLVE PROJETAR PENSANDO NA LUZ”

E penso que isso, minha gente, requer conhecimento. É um designer pensando como designer, engenheiro elétrico, mecânico, físico, artista, deixando ainda em alta a sensibilidade e emoção. Uma peça de iluminação é um objeto físico, assim como uma cadeira. Mas diferente desta última, o que determina o design da primeira não é só a estética, material, forma, engenharias e funções. Além de ocupar um espaço, uma peça de iluminação existe como meio de revelar este espaço. De mostrar ou esconder, de atrair o mínimo de atenção ou expor ao máximo.

Saber criar uma peça de iluminação que pode ser elegante, peculiar, atraente é tão crucial quanto saber a qualidade da luz que ela emite, sua disseminação, difusão, direção, cor, temperatura relata o livro. Uma cadeira implica o ato de sentar-se, uma casa sugere ocupação. Um objeto de iluminação somente se torna uma peça real quando é aceso. E antes disso, os processos de experimentação, estudo, pesquisa e claro, inspiração foram muitos. Adoro poder conhecer um pouco mais de certas histórias e exemplos. Fica melhor pra entender este caminho. Mas escolho mostrar primeiro as luminárias e já já eu volto com ambientes, fechado?

1 de setembro de 2015

Sugestões criativas para quartos

Era pra ser uma vitrine dos produtos de cama da marca espanhola Desigual. Mas pra mim virou uma empolgação diante das sugestões criativas e adaptáveis pra decor. Conheci a Desigual na Europa espalhada por todos os lugares, shoppings, aeroportos e por aí vai. Seu eu fosse traduzi-la em uma palavra seria “cor” sem dúvida! Cores alegres, fortes em composições lindas vão pra roupas, acessórios, artigos de cama e banho. Ainda tem um quê de customização com apliques em jeans.

Mas as colchas pra cama são incríveis pra quem gosta de um ambiente colorido e o que a equipe propôs pra mostrar o produto pode ser inspirador na hora de montar o nosso próprio quarto ou mesmo pra montar uma vitrine, festa, enfim, o que der na telha. Bora lá?

4 de maio de 2015

Uma nova e fantástica sala

A gente fica fuçando ambientes pela net, vendo projetos lindos e incríveis por aí e por vezes, internamente a gente solta um: ” Quáá… Isso é showroom..” Mas quando encontro a fonte eu penso: ” Caraléoooo, que massa, bicho!” É. Meu pensamento também é empolgado e têm exclamações. Foi assim com esta sala do designer gráfico, fotográfico e diretor de arte Dabito.