Dicas
28 de abril de 2016

Última chamada! Então bora decolar! Mas quem está por trás da nave?

Conheci a Rafa Cappai, mentora do Decola!Lab e diretora da Espaçonave há três anos e já sabia que não podia ficar longe dessa moça, queria aprender muito com ela. Eu não tinha reservas, opções, um “trabalho formal” Não é que eu trabalhava em outra frente e investia no que queri fazer. Eu realmente estava de cabeça.”Mas quem é esta moça?” Costumo dizer em aos amigos e amigas que a Rafa é uma raçuda. Muito raçuda. Dessas de pegar o medo, os problemas e obstáculos colocar tudo debaixo do braço e ir assim mesmo. E no final, dá tudo certo porque ela sabe da missão dela de impactar o outro. Desde que a vi falando pela primeira vez, o entusiasmo me pegou e mais uma vez a danada da convicção. Sabia que era ouvindo esta moça que encontraria conexões que faltavam pra minha vida! Yeahhh!

12 de abril de 2016

DECOLA!LAB e um negócio do nosso jeito

Há um ano eu estava por aqui te pedindo um favor: votar no meu vídeo de inscrição do DECOLA!LAB 2015. Fiz o vídeo de lá de Paris, enquanto morava com marido na cidade luz e adorei a experiência. Em um dia juntamos os amigos do Brasil todo, nos divertimos horrores gravando o vídeo e deu certo! Todo mundo ficou na torcida e nem acreditei! Logo eu que nunca ganhei nem bala em rifa, garanti a minha vaga! Eis que agora, depois de concluir o curso em seis meses de estudos diários, consegui me organizar, focar, repensar as ideias, descartar algumas, ter tantas outras novas e sigo aqui trabalhando pra botar meu novo negócio no mundo. Quando? Espero que até o início do próximo semestre. Uma coisa que aprendi durante o DECOLA!LAB é que negócios que envolvem produtos criativos (entendendo produto criativo como bem ou serviço econômico resultante da criatividade) estão diretamente atrelado ao conjunto pessoal, é mutável como a gente, é muito pessoal e requer mesmo paciência perante as mudanças. “Tá Eva, beleza… Mas me conta aí mais sobre esse curso.. ?”

9 de novembro de 2015

Candida Specht: moda com afeto e significado

Cores e originalidade. Duas palavras que me chegam de imediato à cabeça quando penso em Candida Specht. Conhecia a marca há um tempo, namorando pela rede as criações até que em uma mais uma passagem por Salvador, bati lá no ateliê da Candida pra uma troca de ideia. Outra coisa que me chamava a atenção era ver que a criação da Candida trazia uma mensagem e que fica clara depois que a gente a conhece.

Pra mim, como criativa que está empreendendo, nada melhor do que conhecer gente que também tem seu negócio baseado neste modelo. Tenho conhecido tanta, mas tanta gente bacana depois que me apaixonei pelo tema, depois de começar os estudos que o fluxo segue naturalmente, pinta gente de lá e de cá, na mesma vibe, com as mesmas ideias e com a Candida não foi diferente.

Bolsas, mochilas, carteiras, necessaires, lancheiras térmicas, sandálias, malas, tiaras e muito mais, afinal, como boa criativa, a mente dela não para até ter algo novo em pouco tempo. Independente de tendências, estações, padrões e roteiros, a criação da Candida flui por meio de uma observação muito particular do mundo ao redor, coisa de quem entende muito e faz isso há tempos.

12 de dezembro de 2013

Pra ler e também…

… se encantar. Sério. Ó, na verdade verdadeira, eu queria tudo pra mim, mas seria esquisito com quase 30 sair por aí com uma bolsa assim ou então perguntando o que todo mundo tá vendo na parede branca mais próxima. Masssss se não dá pra ter, vamo presentear, han? Dois livrinhos fofis e interessantes demais.