6 de janeiro de 2014

Cheiro de flor, alegria, mil sorrisos, pura vida! Oi, 2014!

em Jornalistando

Oioi, genten!

E os primeiros dias desse ano massa, como estão? Fiquei uns dias sem postar, pois viajei com marido e amigos pra desanuviar como dizia Vovó, mas ficava doidinha pensando na minha Casa, sem conexão.. Fui pra um lugar lindo e voltei com coisa legal pra compartilhar!

Bem, no Natal, deu tudo certo e consegui descer pra casa de mamis. Digo “deu certo” porque nesses períodos sempre passava trabalhando como repórter. Era Natal, Ano Novo, São João… tudo por aí fazendo matéria, mostrando geral se divertindo e eu só no microfone, pauta e de vez quando, dava beliscar um peru ou arrastar o pé com um cinegrafista camarada entre uma pauta e outra. Mas com a nova rotina de trabalho, tudo correu como planejado e deu pra aproveitar cada minuto.

Da casa de mamis, resolvemos ir pra Chapada Diamantina. É de lá que toda minha família por parte de mãe veio (Tem lá no “O por quê”) Foi sem programação, sem roupa adequada, calçado também, mas foi muito, muito bom e super divertido! Tudo que a gente precisava depois de meses seguidos na tensão, com noites viradas por conta do Projeto Final. A cada banho de cachoeira, cheio de energia e boas vibrações mentalizava o meu agradecimento pelo ano de aprendizado que tava indo embora, por entrar o novo ano com este projeto do Casinha que tanto desejei, por encontrar vocês. Mentalizava o meu desejo para todos o meus e para vocês, amigos e leitores queridos: que 2014 seja de muita saúde, sorrisos de doer o queixo, amizades, mais afeto, aproximação, mais carinho, mais abraço, mais dengo, chamego e muito trabalho criativo. Que arte nos guie e que abra nossas cabeças e corações!

A Chapada é mágica e desde pequena volto pra lá quando dá. Amo aquele lugar, as cachoeiras, as pedras, o cheiro de mato, as trilhas, o povo, a flora (cheia de Bromélias, Orquídeas e Sempre-vivas!) Põe aí no Google e cê vai vê o que tô falando.

Chapada2

E as casas? São verdadeiros pedaços de arte e amor, com muitas cores e cuidado. Algumas ficam abertas à noite, as senhorinhas sentadas nas portas, criançada correndo pela praça. Quando algum otário ameaça tirar a paz do lugar com aquela música bizarra em volume absurdo, a polícia vem e dá o aviso. Ao menos em Mucugê foi assim.

Chapada1

As cidades são cercadas por serras, rochas, estas foram utilizadas nos calçamentos, nas paredes das casas, muita coisa ainda do tempo do garimpo. A Chapada é composta por 27 municípios e a gente passou por alguns que fazem parte do Parque Nacional da Chapada Diamantina. Ficamos em Mucugê, terra de Vovó, percorremos Andaraí, terra de Vovô, depois Igatu, Lençóis e Nova Redenção. Tudo fica próximo e dava pra voltar pra pousada no mesmo dia. A gente descansou bastante, nos divertimos, tocamos, conhecemos gente alto astral e claro, também trabalhei. Com um roteiro desses, era previsível encontrar gente com boas histórias pra compartilhar comigo e eu, com vocês.

A primeira que topei quando passei por Andaraí foi a dona Zélia. A rua onde ela mora é a única que liga o centro da cidade ao cemitério. E o trajeto não chama atenção por conta do que a gente encontra no fim da rua (o portão da morada derradeira de nós todos, como dizia Vovó hahaha) mas justamente pelo contrário! Muita cor e vida!

Dona Zélia bem que podia ter jogado fora os pneus velhos, mas resolveu fazer diferente. Pintou cada um, encheu com pedras e terra. Ela diz que fez com Esmalte Sintético e pintou o que veio à cabeça. Acho que tem coisa muito boa na caixola dela porque ela só pintou coisa fofa…ownn. O resultado foi esse aí, dos dois lados da rua, pneus coloridos como canteiros para suas plantas tão bem cuidadas.

Chapada3

A segunda pessoa que encontrei foi… Eiiii, já já eu te falo, tá? Te adianto que ela é uma fofa e trabalha com costura… Bj bj, genten! Simbora 2014!