8 de junho de 2015

Klin d’oeil – Roteiro Artesanal em Paris

Em Viagem

Eu já entendia que este tipo de encontro e que a arte manual na Europa era mais que valorizada, era reconhecida da forma que merece. Como fonte primeira da indústria, como base, como mundo inesgotável de criatividade, como movimento econômico, como investimento, enfim… como algo realmente importante. No Brasil o artesanato segue tomando novos rumos, mas é preciso debater ainda mais e promover mudanças. Mas gente disposta pra engrossar este caldo não falta, eu sou uma delas.

Toda hora surge um evento sobre trabalho manual por aqui, ao menos uma feirinha e lá vou eu. Vale à pena acompanhar sites, fanpages pra ver se encaixa na sua agenda quando você estiver por aqui. Sempre que posso, vou atrás de algum. Se tem uma coisa que eu gosto é deste tipo de evento onde o grupo é harmônico, sabe? Todo mundo na mesma vibe buscando aprender e compartilhar arte, seja ela de qual ramo for. Mais uma vez te digo que não é tudo que vem parar aqui no blog, se não, como é que eu vivo a coisa?

Este encontro em especial foi muiiito bom, um baita evento. Organizado por duas artesãs e autoras de blogs, o “Klin d’oeil” reuniu mais de 60 criadores em sua sexta edição. O nome, que tem sua origem diferente, “Clin” e não “Klin” significa “piscadela” em francês. Por isso o símbolo do evento são dois olhinhos, um aberto e outro fechado. Adorei!

ANIME-klindoeil-x-carreau-#61000OK

O Klin d’oeil que participei aconteceu no queridinho Marais <3 em um espaço daqueles que a gente olha e choraminga: “Poww, porque não tem um na minha cidade?” Não pela estética, mas pela possibilidade. O galpão tipo estufa com toques de Art Noveau  é o Carreau du Temple onde se desenvolvem semanalmente diversas atividades com música, teatro, dança e muito mais.

4

 

O tamanho é ótimo, confortável pra caramba, espaço pra criançada, pra o palco com showzinhos lindos (Aii quanta música bacana tô conhecendo!Prometo tirar a poeira do “Toca na minha sala”!) Como te falei acima, foram mais de 60 criadores reunidos, mais as mesas das oficinas, mais balcão de atendimento, trailer de comidinhas.

3

E sabe outra coisa que me enche de esperança e felicidade? Quando sinto os criadores envolvidos, comprando a ideia, logo, todo mundo fez questão não só de expor o seus produtos e atrair o cliente, mas cuidaram da decor, deixaram, cada um a sua maneira, seu pequeno espaço agradável pra o visitante.

5

6

Enquanto rolavam as vendas, compras, comidinhas e música, os ateliês não paravam. Foram 17 artistas que ofereceram cursos pequenos e rápidos. Todos pagos, com preços acessíveis, mais que justos para o trabalho dos artistas e material incluso. Compartilhando novas técnicas e aprendendo, cada ateliê era comandado por artesãos, designers de interiores, de moda, de objeto, arquitetos e todos autores de blogs. Cada curso tinha a sua classificação. Tinha gente pequena…

7

E gente grande…

11

Gosto muiiito do trabalho da Steffie Brocoli, uma ilustradora daqui de Paris. O curso dela, voltado pro público infantil, foi uma delícia!

8

O da Virginie Will também. Cada pequeno confeccionou a máscara de monstro que quis.

9

Eu fiz dois cursinhos sobre encadernação e novas técnicas de pintar papel.

10

Um com uma artista super nova e talentosa e outro com o já queridos, a dupla do Heju. Lembra que falei deles aqui em outra oficina que participei? Então, me encontrei de novo com a Hèlene e com o Julien e claro, foi muito bom! Rimos, aprendemos e saí de lá sempre com aquele aperto no peito tipo “Ainnn, eu quéé mais, eu quéé pra sempre!”

14

Tinha atividade dentro e fora do Carreau. A Print Van tava colada lá. A proposta é muito legal: esta van aí, pequena é uma mini gráfica onde você pode escolher na hora sua estampa e imprimir onde escolher, em blusas, cartazes, cards e mais.

12

Outra lojinha muiiiito massa é a Noir Gazzol, a primeira boutique itinerante de moda de Paris, segundo eles mesmos. É uma loja como outra qualquer, mas assim, dentro de um pequeno caminhão.

13

Ainda tinha mesa de pingue-pongue super concorrida por marido digo, crianças, barraquinha de sorvete, jornal, ainnn, muito delícia! Ficam a experiência, aprendizados e ideias. Tudo, como tudo por aqui, inesquecível.

Meu beijo!