9 de março de 2015

Le Café des Chats

Em Viagem

Eu descobri o lugar depois da dica do Expresso Paris. Lógico que na hora tive aquele siricutico de quem ama animal e que têm gatinhos e que é dãã de vez em quando: “Ainnnnnnnnnn belll delllss, eu quééé, euu plessisso, ainn nenenzi de mãeziii!” Passada a falta de controle emocional, te digo que já prometi voltar só pra falar disso, não foi? E prometo de novo, com a maior cara lavada. Mas antes de te contar sobre tooodos os anjinhos de quatro patas, (asas e barbatanas) que já passaram pela minha vida, eu te apresento hoje Le Café des Chats. Um Café único. Sério, único mesmo. O único Café da França que acolhe gatinhos!

Esperei chegar o final de semana e em um sábado agradável, não tão frio.. Tipo, tava quentinho, uns 6 graus 😀 a gente correu pro Café da Bastilha, porque neste não precisava de reserva. No Le Café des Chats do bairro do Marrais precisa. Rapidinho, com a ajuda desse metrô dos deuses, chegamos, sem erro!

10

O lugar é simples e aconchegante. Cheio, mas cheio de gente que tá ali pra ver e dengar os nenéns. O que é lindo de ver. Mas outras coisas contam muito como um ótimo atendimento (com um funcionário super simpático, a cara de um amigo meu <3) comida DELICIOSA e com bom preço. Desde que a gente chegou, sem dúvida, a melhor comida que a gente já provou, isso, dos lugares simples que a gente almoça. Porção generosa, suculenta e bom preço. Com a melhor torta de limão que comi na vida. Doce e cítrica no ponto cerdwteredfwsd… Uai, foi mal, babei no teclado e fui limpar!

9

Assim que a gente entra, os funcionários perguntam se é a primeira vez e te passam regras simples. Eu já tinha lido, mas mesmo assim quis ouvir dele: Primeiro, não pode fotografar com flash; segundo, não pode acordar os gatos se tiverem dormindo, apenas acariciar os nenéns de leve e terceiro e mais importante, não pode, DE JEITO NENHUM, alimentar os felinos. Todos eles seguem uma dieta animal, normal, como deve ser e tudo é acompanhado por médicos veterinários. E na entrada, já passei mal………………….Ainnnnnnnnnnnn <3 <3

2

Percebeu? O lugar é deles. A única intervenção que a gente deve fazer é afastá-los da comida, quando eles chegam na curiosidade e com o zói grande 😀 Mas no mais, ó pra isso…

7

Todos meigos, bem cuidados e acostumados com a presença humana. Le Cafés dos Chats foi criado há pouco tempo, em 2013 e já é um grande sucesso e acima disso, respeitado. Os dois restaurantes, se não me engano, têm doze bichinhos em cada e recebem visitas da vigilância sanitária também. Todos os gatos foram tirados das ruas por associações protetora dos animais e tiveram no Café, uma nova chance de terem um lar, carinho, proteção, amor, respeito, cuidado. E por aqui não tem isso de deixarem bichos dentro de caixa na porta do estabelecimento. A compreensão e educação por parte de quem apoia e luta na causa é grande. Ó pra isso, minha gente…. Fofulaaa de mamainnn!

8

Os animais, quando retirados das associações, são escolhidos pelo temperamento pra o processo de adaptação não ser desgastante pro bichano. Há também este cuidado. São fofos, macios, cheirosos..Dormem no nosso colo. Ao meu lado tava uma menininha espoleta, que queria de qualquer jeito pegar um no colo, e ele, claro, fugia (que ele né besta, né? :D) Ah, isso também é fiscalizado. Pai e mãe que não controla seus filhos recebem sermão também, afinal, animal não é brinquedo.

1 copy

Aí fugindo da menina, esse pedaço de veludo correu foi pra mim! Amassei, confesso. Mas é carência, meu povo, tô longe dos meus três, vai… Mas antes de se achegar, ele bebeu a aguinha dele em uma das fontes que ficam por ali. Quem cria gato sabe como gostam de água corrente…

6

E um outro também quis denguinho nosso. Eles sabem quem tem jeito com eles, né.. Marido dengou que quase esse dorme.

3

E na mesinha ao lado…

4

Mas aí a gente também viu que a coisa é séria. Duas turistas riam enquanto o gatinho tentava pegar a comida delas. Imediatamente o funcionário foi lá e deu um carão nas duas e retirou o animal da mesa. Engraçado é o que bichinho também obedeceu e não voltou. As duas ficaram lá com cara de tacho.

Nenhum pode ser adotado, pra isso, têm as associações. E esses órgãos aqui são bastante atuantes. Recebem apoio da população e também, mesmo pouco, do governo. Recebem apoio financeiro e legal. Há leis e penas sendo aplicadas. Leis com prisões e com pagamento de multa, que pra mim, podem ser sempre mais eficazes quando doem no bolso. Já que não se tem educação, sensibilidade e bom senso, fura o bolso. A França tem uma associação super antiga e consistente, a SPA – Sociedade Protetora dos Animais que foi fundada em 1845. No primeiro momento pra defender cavalos que viviam maltratados nas fazendas. A partir daí, a luta cresceu e abraçou todas as causas, desde os animais de circo até o tráfico dos bichos.

E o trabalho da SPA não para  é incessante e intenso, afinal aqui é contraditório. O mesmo país que aplica as penas pra quem maltrata os bichinhos, autoriza a criação de animais pra retirada de pelo pra abastecer parte do mercado da moda e autoriza também a produção do “foie gras”, o patê de fígado de ganso. Um horror. Um filme de terror este processo. Quem quiser saber mais sobre a SPA, clica aqui e traduz página, dá pra entender assim. Também pode assinar listas de apoio e de ações, mesmo de longe. Eu já me inscrevi. A última vitória que eles contam foi a condenação e pagamento de multa de um fazendeiro que maltratava seus cachorros e gatos. Os animais foram enviados pra SPA e agora buscam um lar.

Quem estiver ou vier à Paris e quiser conhecer o lugar, aqui vão os dois endereços: No Marais é 16, Rue Michel de Comte, 75003. De terça à domingo. e no Bastille, 9 Rue Sedaine, 75011. De terça à domingo. Ambos de 12h às 22h30. E se quiser saber mais sobre  Le Café des Chats, eles também tem site.

5

Um beijo, gentchy!