3 de dezembro de 2014

Nosso primeiro ano!

Em Bate-Papo

Minha gentchyyy! Eu achava que ia demorar horrores pra sentar aqui e escrever um post com este gosto tão especial de aniversário. Mas passou voando, por mais lugar comum que isso possa parecer. E também agora, passa um filme na minha cabeçona, isso também não é lugar comum. Passa mesmo. Acho que pra descrever tudo teria de ser mais de um post, com tantos detalhes, mas eu vou fazer esta tentativa árdua de resumir o que sinto, o que penso, enfim, minhas reflexões sobre este primeiro ano do Ateliê Casa de Maria.

Eu já falei por inúmeras vezes como a ideia de ter este blog nasceu, mas se você chegou por aqui agora, eu conto rapidinho. Há mais de cinco anos descobri os blogs de decor, de faça-você-mesmo e de lá pra cá, diariamente, era por eles que passeava e me perdia. Mas um em especial, o Banana Craft da querida Dani Sinhoreli mexeu comigo e pensei que era de um espaço assim que também precisava. Pra falar o que pensava, o que descobria e foi lindo saber que tinha tanta gente que pensava como eu. Sabia que eu não era um E.T. como minha irmã sempre me dizia 😀

Depois da ideia, foram meses e meses pensando na identidade, no nome, nos profissionais pra entrar nesta comigo. No tempo pra me dedicar e trabalhar. Decidi por Ateliê Casa de Maria. Ateliê como espaço de criação, produção e Casa de Maria como homenagem a minha mãezinha Maria que me ensinou o poder da criatividade e das nossas mãos. Criei a primeira identidade junto com um amigo querido, o designer Erick Santos. Passei pra segunda, encontrei a Ana Luiza ou Baby para mim, uma amiga e designer que me deu a mão e veio junto comigo, vetorizando, colorindo e virtualizando os rabiscos que eu tinha no papel. Depois do trabalho da Aninha, foi a vez de programar e acertar as pontas deste espaço virtual, em uma plataforma prática que eu pudesse trabalhar sem me lascar, afinal, até há um ano eu era muito, muito burrinha com estas tecnologias. Aí encontro o Mark ou Babycito 😀 designer de mão cheia que apara as arestas e põe no ar o que a gente havia feito. No dia 3 de dezembro de 2013 meu bloguinho foi ao ar. O Ateliê Casa de Maria tão sonhado, ganhou vida.

Mas eu sabia muito pouco sobre o que me esperava. Era Trabalho, assim mesmo, com T maiúsculo. Dia, tarde e noite. N-U-N-C-A trabalhei tanto na vida. Comecei a encará-lo como meu jornal (uma vez jornalista, sempre) com pautas, em vez de posts, com cronograma, com contatos e público. E a cada semana eu via que era preciso mais dedicação, mais empenho pra isso que já era, há tempos, meu projeto de vida. O blog nunca foi minha segunda opção, meu passatempo, minha fonte de renda extra, nada disso. Sempre foi um projeto de vida onde deposito todo meu amor, meu empenho.

Ao longo dos meses fui percebendo que o trabalho é de conquista. Cada leitor, cada pessoinha que vem aqui, na Fanpage e no Insta, que tem interesse em prestar atenção no que você tem a dizer é uma vitória. A cada uma delas, a vocês, eu agradeço enormemente. Aprendi que é preciso sempre, nunca deixar, na verdade, de estudar. Quem lê um blog, quer sim ver imagens bonitas, bons projetos, mas também quer um conteúdo agradável. Eu sou assim como leitora, porque quem me lê é o contrário? Claro que não. Entendi também que o mundo virtual é igual ao real, com altos e baixos, mas talvez um tantinho mais complicado, já que a barreira da tela, um belo esconderijo. Vi que a inspiração é um processo que se retroalimenta, quanto mais eu penso, eu busco, eu tento, eu me inspiro, mais ideias eu tenho, eu sonho. Que você pode sim se inspirar em quem está por perto, com respeito e admiração.

Aprendi neste tempo a ter mais coragem, mais força e menos medos. Há quem diga que já tinha quando larguei 8 anos de telejornalismo pra me aventurar no mundo dos blogs. Mas eu não achava. Senti que precisava ousar mais e não ter medo de tentar. Nesta busca encontrei pessoas tão queridas no mundo virtual que hoje não penso em viver longe delas. Paguei a língua, vivia pensando que entre as telas seria muito difícil construir relações sólidas. Hoje se não falar com algumas delas ao menos uma vez por semana, fica tudo muito chato. São mais que amigas, são parceiras, cúmplices e foram aquele empurrão que precisava. Me dão aquele puxão de orelha sempre quando é preciso, mas sempre em meio a boas risadas e na maioria das vezes, gargalhadas. Eu tenho receio de citar nomes, porque sempre fico com a sensação de ter esquecido alguém, mas agradeço de coração às amigas baianas, mineiras, paulistas, pernambucanas, gaúchas, por fazerem deste meu primeiro ano como blogueira, um dos meus melhores. Eita que meu coração é grande! Cabe meu país todo! <3 <3 Amora, Zi, Anenha, Marcinha, Dani, vocês sabem, porque já lhes disse, o quão especiais são!

Mas não foi um ano só de alegria, teve muita decepção, muita tristeza, lágrima? Nem se fala. Sou chorona confesso, não por fraqueza, mas por saber externar fortes emoções. Entendi que viver de sonho é mais difícil que imaginava, que nesta caminhada você não pode contar com todo mundo. Eu entendi que o desapego é um grande gesto a se praticar. É esperar menos ou nada de onde você achava que ia sair um gesto gentil, de amizade, de apoio. E isso, o apoio faz toda a diferença. Mudar de vida, se refazer não é mesmo fácil, reconstruir um caminho, fazer um novo é mesmo difícil. Encontrar amigos que te entendam, te respeitam, aceitem que este é o SEU momento, que ninguém pode fazer por você e que por isso, você precisa trabalhar muito, se ausentar, mudar posturas… Não é tão simples. Mas eu continuo acreditando no que vivi. Os de verdade sempre permanecem e eu e eles temos carta branca na vida uns dos outros. Entramos e saímos pela mesma porta do coração sempre, a qualquer hora. Nine, Maroca, Laninha e tant@s mais, vocês sabem que @s amo!

Há 4 meses o Ateliê ganhou uma lojinha tooda cheia de amor, miudezas e fofurices que sempre gostei de fazer, mesmo antes da janela virtual existir. Se as vendia em um bazar, nada me impedia de vender por aqui também. A Lojinha Casa de Maria tem sido mais um desafio que me mostrou quanta organização, disciplina, rotina e cuidado é preciso ter pra levar um micro mini negócio adiante. Mas mais uma vez, pude contar com anjos que aqui na terra se chama amigas pra me ajudar. Clientes, taxas, bancos, fretes, envios, embalagens, encomendas, pedidos, são palavras que a cada semana me soam mais próximas e costumeiras. Espero aprender mais e mais.

E foi assim, aprendendo, que comecei este projeto e espero seguir com ele pra sempre. Sem dúvida, se tiver uma palavra pra definir um primeiro ano de blog é aprendizado. Acrescento gratidão e amor a ela. Aprendi um monte, quero aprender sempre. Agradeço a Deus, aos amigos e amigas, a minha mamain Maria, meu painho, minha irmã, primeira entusiasta do blog, meu neném e sobrinho Zequinha, meu anjo, parceiro e marido, Rogério e as minhas estrelinhas que seguem comigo, me alegram e me são companheiros, meu bichanos Chicão, Joaninha e Amora. Por fim, te agradeço, a você que me lê, do FUNDO do coração. Sente daí meu abraço apertado, meu beijo estalado e toda a gratidão que emana daqui. Que esta boa energia nos guie por mais um, dois, três anos juntos. Em breve te trago novidades, mudanças boas, claro. Tudo pra gente ficar ainda mais felizes e melhores!

Aqui deixo mais um beijo e se puder te ofertar um presente como agradecimento, te oferto o que tenho de melhor: um sorriso sincero e largo, de amor e alegria!!

1ano1