22 de abril de 2018

Pecinha para sapatos – Móveis com cabides

em Feito à mão

Eu tô me imaginando fingindo ser Cauby Peixoto com aquele “s” com cara de “xis” pra ti e dizendo: “Voltcheeei, voltcheiii, que bom poder voltcharr axxiiimmm..” 😀

Serião agora. Que bom poder voltar com mais um móvel de cabide, fácil, rápido e que super quebra o galho em casa. Se você chegou por agora, voltar umas casas, aliás, uns posts pra ver que a cada domingo tenho postado móveis de madeira e com cabides pra gente aprender ou pra quem quer começar a encarar o mundo da marcenaria. Tudo por meio de projetos bem simples e vindos do design “open source” francês do Pierre Lota. Nos posts anteriores há várias dicas, afinal, em cada móvel, dá pra se tirar um aprendizado diferente. Não deixa de acessar.

Dessa vez recriei uma pecinha apoio pra sapatos. Marido pedia há tempos algo aqui em casa, pois a gente tem a maiorrrr birra de entrar com calçado em casa. Eu tenho noxinho, não vou mentir. Então, ter um lugar pra deixar os calçados que sempre usamos durante a semana seria bem útil.

Então simbora: pra peça da vez, aproveitei, mais uma vez, pedaços de madeira que já tinha, só precisei reparar algumas medidas com a serra tico-tico. Separei duas pequenas tábuas de compensado laminado de 75cm de comprimento por 16cm de largura. Parafusos de 3,5 ou 4,0; Furadeira/parafusadeira pra madeira e quatro cabides.

Pintei os cabides da mesma forma que pintei os outros da primeira peça. Clica aqui pra ler essas dicas que facilitam bastante essa hora. Já o compensado, selei com seladora à base de solvente dessa vez. Depois de aplicar três camadas, encerei com cera de carnaúba. Clicando aqui nos posts anteriores, você vai ver dicas de como selar madeira também.

Depois das partes pintadas e seladas, achei o meio do comprimento de 75cm e apartir dele, contei 15cm pra cada lado e marquei. Marquei e me virei pra achar mais uma mão pra fazer isso tudo e ainda tirar foto 😀

Depois daí, com a ajuda de grampos e do esquadro, posicionei os cabides bem justinho ao esquadro pra garantir os furos nas duas partes (cabide e prancha de madeira). Quer dica de como furar madeira se rasgar tudo? Clica aqui. Lembra que esses são alguns dos macetes se repetem sempre no trabalho com marcenaria.

Observa que o encontro das duas partes do cabide deve ficar no encontro das duas partes do esquadro. Assim fica mais fácil medir e posicionar tanto as peças quanto os furos.

Fiz isso nos dois lados com a primeira tábua.

E no outro lado também. A outra tábua de compensado vai na parte superior, bem no topo onde já há aquela cavidade do próprio cabide. Olha a imagem:

E só! Eu te disse que era mesmo muito fácil e rápido!

Olha que massa, gente! Bastante funcional e bem útil aqui pra gente. Eu até queria ter usado uma tábua mais larga, mas os 15cm no final saíram perfeitos pra este lugar atrás da porta, já que não empata a porta abrir. Se você contar com mais espaço, experimenta fazer uma peça maior. Mas aqui, as medidas serviram bem, mesmo o pé de marido sendo 43, uma lancha 😀 Mas tá pronto, só é chegar, tirar logo o sapato e pendurar a bolsas, casacos do painel-gancho que já mostrei como faz aqui também.

Só colocamos mesmo o que realmente usamos durante toda a semana, não variamos muito. Os gatos nem tchun pra novidade 😀 E é preciso lembrar que é apenas uma peça de apoio, não é uma sapateira grande ou armário. Até pode ser se você aumentar as medidas e ter mais espaço, mas não é o nosso caso. Outra consideração que deixo aqui: talvez essa tenha sido a única peça do design open source em específico que até então tenha sentido mais fragilidade. Ela é leve e delicada, servindo mesmo só de apoio. Além disso, se você forçar muito os dois lados ela se move e não é por conta dos tamanhos dos parafusos. É o design mesmo, sem tantas conexões e travas. De qualquer forma, ninguém vai subir, sentar, escorar numa peça dessa, né? Peloamorr…

Não gastei um real, gente, sério. Tudo já aproveitado diante do que já tinha e já trabalho. Mas uma peça dessa fica em média uns R$ 80,00 aqui. Contando com a lata da seladora, tinta em spray, cabides e a lata de cera. Mas ó, pra lá de útil. Amei.

Espero que tenham gostado e mais uma vez, quem fizer, me mostra! Quem compartilhar, dá crédito, cita a fonte? É legal, pois tudo é muito bonito, é cheio de amor, mas é trabalho. Trabalho que a gente ama. Ah, ontem, dia 21 de abril foi o Dia Mundial da Criatividade e foi assim que comemorei o dia da minha profissão: criando <3

Me contem aqui nos comentários o que acharam, minha gente! Um beijo grande e até semana que vem!