15 de fevereiro de 2016

Rio Grande do Sul e Uruguai: Férias!

Em Por aí

Eii gentes!

Tudo beleza com vocês? Ô vontade de voltar aqui pra contar tudinho, ou melhor, quase tudo das nossas férias delícias. Mas por motivos de: internet ruim pra caral… caramba, não consegui fazer nada, sumi. Não, não foi o carnaval. É. Existem baianos que não pulam/curtem trio e afins 😀 Mas agora tudo resolvido, vamos papear.

Tiramos onze dias de férias antes do carnaval e fomos encontrar os amigos queridos do Sul. Lembra que falei deles aqui? E fiz um mimo pra casa nova deles? Então, a Stefânia e o Bruno, ou melhor nossa Fanzita e Brunão são mais que queridos, nos deram uma família no Sul de tanto amor com que nos recebeu. Foi tanto carinho e cês nem imaginam o quanto de soluço rolou na hora de voltar #snif #snif. Não foi a primeira vez que visitamos o estado. Há seis anos conhecemos a Serra Gaúcha e claro, a viagem foi linda. Voltamos doidinhos pelo Rio Grande do Sul.

6

Um dos passeios na região de Gramado

Dessa vez fomos pra Pelotas, a famosa Satolep e adoramos a cidade. Arborizada, limpa, com casarões antigos lindos, bares legais e clima gostoso. E o lago? Maior do Brasil? Se passa por praia direitinho e é assim que os moradores e visitantes o tratam. Todos levam suas cadeiras de praia, ficam lá se bronzeando e tal… Achei o lugar lindo e claro, rendem fotos mais bonitas ainda!

1

3

Tá, quando o vento deixa…

4

Mas sai e ainda, recheada de amor!

5

Depois de conhecer mais da cidade, das famílias queridas dos nossos amigos, de comer a comida perfeita de Dona Bete (ainnn <3) e dá umas bandas por Satolep, seguimos de carro pra o Uruguai. Mais um carimbo e on the road!

8

Gente, que incrível! O Negones, irmão da Fanzita (é, eu invento apelidos, só meus) alugou uma casa pelo Airbnb em La Paloma no departamento de Rocha, o equivalente ao nosso estado. E fomos em um grupo maior, com gente boa e do bem. As praias são diferentes do que a gente tem no Nordeste, claro, a começar pela água gelada (e super revigorante!) e quase nada de árvores, mas são tão gostosas quanto. E com violão, amigos, novos amigos tudo fica especial.

9

A casa em La Paloma, toda em madeira, tipo chalé, rendeu noites tranquilas, super descontraídas e muita, muita risada, melll dellss, ria de chorar por muitas vezes, adoro! Mas antes, conhecemos a famosa Parrilla, comemos também os melhores rangos feitos por Brunão 2, outro Brunão do grupo, tomamos a Patrícia e tocamos muito com direito a um violino perfeito da Lys, mais uma integrante deste grupo viajante inesquecível <3 Adorei!

10

Ainda curtimos um pouco a noite, com o centro de artesanato, conhecendo a produção local, tendo ideias e claro, nos divertindo muito. De La Paloma, metade do grupo voltou pra Pelotas e nós quatro seguimos para La Pedrera, que lugar fooofo!

11

As ruazinhas de La Pedrera, com seus restaurantes, banquinhas de artesanato, arte em suas diversas formas… Ai, é de suspirar…

14

Cada detalhe da decor…

12

13

15

A praia é uma delícia: depois de um sol punk na cabeça, a gente mergulha na água gelada e volta cinco anos mais xóofemm e com a buzanfa na nunca, minina! 😀 Mentira. A gente volta sem sentir direito certas partes do corpo. Sério, muito gelo. Mas não vou mentir, adorei! Dá uma revigorada, refresca e o sol fica ainda mais gostoso na pele. Fanzita não botava muita fé na baiana aqui, achava que não ia entrar no gelo, toda acostumada com águas mornas… Mas ô mulher frouxa eu seria, depois de tanta viagem, morrer na praia não rola, né… Caí na água!

18

E as lojinhas de decor? M o r r i…. Pera, gente, esse post tá ficando altamente “infartante”…

30

A noite em La Pedrera é realmente muito boa. As ruas vão enchendo, os showzinhos pelas calçadas e outras apresentações. Dá pra gente se aproximar dos artistas locais, conhecer mais um pouco daquele outro universo que está mesmo bem perto da gente.

16

17

E o que dizer de Cabo Polônio? Distante de tudo, no meio de um nada super interessante. É um povoado a pouco mais de 200 km de Montevidéu, ainda no departamento de Rocha, escondido entre dunas, rochas e santuários de lobos-marinhos. Cara, que lugar… As moradias, hostels, pousadas, baseadas no reaproveitamento, com sobras de madeira pintada e muita, muita cor. Nada de internet, água encanada, rede elétrica… Ó como é:

19

A vibe boa, muitos hippies, pés descalços e arte, muita arte…

20

22

23

E a gente vai seguindo até o Farol, pelas ruas de areia, até avistar as três ilhas que são santuários dos lobos-marinhos.

24

25

E dá mesmo pra ficar bem perto! Que coisa linda, gente, eles são enooormes, gordos, barulhentos e brigões! Mas ainnnn, quelia apertáá! <3

26

27

O dia em Cabo Polônio estava frio, não deu pra ver aquele céu “Azul Uruguai” … acabei de inventar essa cor pra um dos céus mais lindos que já vi. Pra chegar ao Cabo é preciso pegar um transporte especial pra o trajeto na areia, um caminhão 4×4 todo aberto, com andar, massa!

29

Caímos da estrada de novo e chegamos à Punta del Este. Ahh Punta… Tudo isso e mais que sempre falaram! Que lugar interessante, lindo e claro, phyyyno até doer o olho. Punta já fica em outro estado, em Maldonado e é considerado o balneário mais luxuoso da América Latina… e o que eu fui fazer lá? Hahaha oxe, me jogar no mundo, mas quá… E falando do céu, olha esse céu? Punta nos recebeu com um baita sol se pondo… A cidade é linda, linda. Badalada, não muito a nossa cara, vai, mas vale demais, demais a visita.

31

E logo depois daí, desse clique, marido, que tinha ido fotografar entre as pedras, me volta toooodo cortado, todo tirado pedaço, desde os dedos, as mãos, perna e pé. Sangue aqui e ali e eu na maior preocupação, enquanto os amigos riam…. Ok, eu também. Resultado: tinha caído nas pedras. Aí conferindo o estrago…

36

E eu dando bronca: “Ô, menino! Cadê a unha do dedão do pé? E o dedo? Ficou por onde? Ai….aquil…aquilo é san… sangue… morri… poft…”

37

Mas nada que água do mar não cure, farmácia e carinho, nhoimmm <3 Nos dias seguintes, mais praia, mais céu lindo e lugares mágicos pra conhecer!

32

39

38

Pertinho de Punta, tem Punta Ballena, península onde fica a Casa Pueblo,residência do artista plástico Carlos Páez Vilaró. É um misto de museu, resort e galeria de arte atualmente. Ninguém podia entrar no dia, pois estava reservado pra um evento, mas ir lá pra admirar a vista do lugar é ordem, plissss, quem for ao Uruguai, não deixa de passar por lá!

34

O lugar fica bem no alto mas a gente tem acesso tranquilo às serras e um mar enooorme na tua frente te deixa encantada! Além de render fotos lindas pra porta-retrato e pra guardar pra sempre.

40

35

Os amigos nos apresentaram estes e outras lugares lindos que te mostro amanhã! Volto com decoração das boas do hostel que ficamos em Punta, sobre Montevidéu e um post inteirinho sobre Colônia! Beijo, gentes!

Fotos: Bruno Leites, Rogério Luiz e euzinha.